sábado, 26 de dezembro de 2015

Desafio de Dezembro: Desconstruindo um estigma


“O Dia Mundial de Luta Contra a AIDS é celebrado no dia 1º de dezembro por uma decisão da Assembléia da Organização Mundial de Saúde, realizada em outubro de 1987, com apoio da ONU. No Brasil, a data passou a ser adotada, a partir de 1988.”
O Desafio de Dezembro tem como tema central a Luta Contra a AIDS. Muito mais do que lutar pela vida, também se luta por respeito. Diferente do que muitas pessoas pensam, a doença não é exclusiva de homossexuais e possui mais meios de transmissão que simplesmente através do sexo. Quem a possui tampouco precisa ficar à margem da sociedade ou privado de contato por medo de contágio. Alguns cuidados precisam ser tomados, é claro, porém, em geral, a vida pode seguir normalmente. Deve-se tratar alguém portador de HIV ou AIDS com respeito e compaixão.
Boa parte dos casos de trasmissão e morte se devem à desinformação e à discriminação. No Brasil, por exemplo, fornecem-se testes e medicamentos de graça, no entanto, a falta de campanhas a respeito da doença e mesmo o estigma que ela carrega tanto de ser supostamente ligada a homossexuais quanto de ser incurável (há meios de controlar a infecção, embora, de fato, não exista uma cura no momento) acaba levando muitas pessoas a evitar buscar tratamentos, a se prevenir contra a doença e até a revelar a parceiros em potencial ou passados que contraíram o vírus.
As regras para o desafio você encontra no site do Nyah! Fanfiction.

Histórias participantes


 escrita por Kori Hime

Grupo de apoio para celebrar a vida
Após iniciar o tratamento com medicamentos antirretrovirais, Rafael passa a frequentar um grupo de apoio para pacientes soropositivos.
Ao contrário do que ele esperava de um grupo de apoio, reuniões regadas a café e um clima mórbido, Rafael encontra pessoas que estão em busca de apenas um objetivo: viver.
Classificação: +13
Categorias: Originais 


 escrita por Kaline Bogard

A vida em três tempos
Três momentos na vida de Aomine Hayato, um jovem que nasceu com uma doença muito discriminada pela sociedade. Felizmente ele conta com a ajuda de suas duas mães para superar os obstáculos. E tem o apoio de sua melhor amiga.
Nem tudo é um mar de rosas, mas Hayato entende que a vida vale a pena.
Classificação: +13
Categorias: Kuroko no Basuke 


 escrita por slytherina

Estrada para o outro lado
Fanficção sobre o seriado sobrenatural.
Sam fica doente e a família terá que se adaptar a essa realidade. Mas será que Sam e Dean têm estrutura emocional para lidar com isso?

Classificação: +16
Categorias: Sobrenatural 

 escrita por _TheDarkMoon

Ensemble
O mundo de Émeline era limitado à uma pequena região de Louhans, na França. Quando se torna uma mulher independente e se muda para o centro dessa cidade, descobre uma nova vida, mas seus horizontes não estavam tão abertos quanto ela imaginava.
As coisas mudam quando resolve fazer um exame de rotina e descobre, de uma só vez, situações que mudariam seu modo de vida: era soropositiva e estava grávida.
Émeline sabia que não suportaria sozinha responsabilidades tão grandes. E era por isso que Gervais lhe sustentava. Pois sabia que juntos eles conseguiriam.
Classificação: +13
Categorias: Originais 


 escrita por King Of Norway

Precisamos falar sobre Logan
Desde que se assumiu homossexual para a sua família, Logan Halter vivia com James Macvoy, o seu antigo colega de faculdade e também atual e único homem da sua vida, em uma pequena casa no subúrbio do condado de Lincolnshire, Londres.
Ter que deixar uma vida hedonista para trás não foi à parte difícil de embarcar em uma relação, e sim ter que sempre viver com um lembrete daquela época. Logan descobriu que possuía a Síndrome da imunodeficiência adquirida. Logan tinha medo de morrer. Logan não queria sacrificar a felicidade de James para viver a sua.
Classificação: +16
Categorias: Originais 

 escrita por Makita Sama

Palavras que poderiam ter sido evitadas
Quantas vezes ouço pessoas falando:
"Mas isso não vai acontecer comigo!"
Quantas vezes outras pessoas disseram isso e tiveram problemas?
Pois é, diversas.
Classificação: +16
Categorias: Originais 





 escrita por Erika Bass ebla

Proposito
O que fazer quando uma doença incurável te pegasse? Fazendo você achar que vai morrer a qualquer momento? E se o amor de sua vida te desprezasse por isso? O que você faria? Deixaria de lutar?

Classificação: +13
Categorias: Justin Bieber


 escrita por Romantica10

Perdida?
"Eu não conheço a minha mãe. Eu não sei o nome dela, ou aonde ela mora. Não sei nem mesmo se ela está viva. A única coisa que sei e que ela me deu uma doença de herança ou de lembrança como você preferir. Eu não sou uma adolescente comum como as outras."

Classificação: +16
Categorias: Originais

 escrita por Blood Roses

Sempre Ao Seu Lado
As vezes é melhor ter uma dor física a uma emocional, principalmente quando todos fingem que não veem a sua dor e ignoram a sua existência, tratando-o como um item indesejado, tratando-o como veneno.
Tudo por causa de um ser tão pequeno que é impossível vê-lo a olho nu e a ignorância das pessoas.

Classificação: +16
Categorias: Miraculous Ladybug 

 escrita por Lua Lima

Em busca da verdade
Fui adotada por uma família maravilhosa quando ainda bebê, sem nenhuma recordação da minha mãe biológica. Nenhuma além da AIDS.
Não havia nenhuma certidão ou documento, não havia nenhum bilhete ou objeto comigo no abrigo em que meus pais me encontraram. Só um laudo, constatando que era portadora do vírus HIV.
Por muitos anos não entendi, por muitos anos fingi não entender, por muitos anos hesitei; mas agora, com 17 anos, preciso ir atrás da história que me deixou condenada.
Vou encontrar essa mãe biológica. Vou encontrar a minha história.

Classificação: +16
Categorias: Originais

 escrita por kathe Daratrazanoff

Recomeço
Ninguém é perfeito. Sabe essas imagens que a mídia te vende? Produtos falsos. E não digo só pela aparência. Eles mostram uma pessoa que não é real. Todos temos problemas, falhas, defeitos. Alguns mais que outros, e isso nos faz humanos.

Não sou excessão. Nasci com uma doença, um vírus. Muitos não entendem, ignoram. E apesar de todo preconceito, todos os olhares e as coisas horríveis que dizem, eu me levanto e recomeço.

Aprendi a conviver com a AIDS, e a me aceitar. Me dê uma chance... Pra te contar a nossa história. Mais difícil do que lutar pela vida? É lutar pelo respeito.

Classificação: +13
Categorias: Originais 



 escrita por eduarda14

Minha jornada...
A vida é como uma longa caminhada. Uma caminhada onde problemas e dificuldades surgem tornando-a escura e complicada. A meta é sempre seguir em frente e tomar a direção correta, muitos não conseguem seguir, algumas vezes por desânimo e outras por escolhas erradas.
Malu por sua vez, se vê com uma doença grave: AIDS. O que se torna um grande fardo pesado para se carregar, pois por um desacerto passado, surgem diversas dificuldades. As ofensas, o preconceito e o medo se tornam constantes. Mas a jovem poderá aprender que o amor pode ser maior que qualquer pecado e todas as ofensas. É necessário apenas perdoar o passado e aprender com o coração...

Classificação: +13
Categorias: Originais 

sábado, 5 de dezembro de 2015

CCXP 2015 - Eu fui gritar I Love You.


Esse ano eu não ia na CCXP, fiz um intercâmbio para o Canadá (Veja aqui 1, 2, 3 , 4 e 5), o dólar está lá nas alturas e ano que vem promete ser um ano bem complicado.
Mas meu coração estava apertado, pedindo para eu ir lá gritar um "I love you" para o Frank Miller, David Tennant, Jim Lee…
Sabe, coisa de fã. Você entende como é isso? Então me dá um abraço.
Muito bem, a Comic Con Experience é um evento novo, ainda um bebê. Este ano foi a segunda edição. Tem coisa para melhorar? Sim, todos os eventos tem. Você vai encontrar diversos depoimentos. Mas, uma coisa eu garanto, nada melhor do que tirar as próprias conclusões.
Para quem quer aproveitar esses eventos, precisa de um choque de realidade antes de comprar os ingressos. A internet tá aí para pesquisar. Pergunte para quem já foi, veja as publicações do ano passado. Assim você vai ciente do que pode encontrar, ou do que melhorou.
A Panini está dando muitos descontos (na sexta-feira) e aceitou cartão de crédito sem cobrar taxa extra (o que é contra o código do consumidor).
Vi HQ que geralmente custa em torno de 120 reais no site por 60 reais, e a mesma, no Canadá, custava CAD 50,00. Eu vi figures que custa 200 reais na Liberdade, sendo vendida por 120 reais, na caixa e original. Funko de 70 reais, que era vendido por 80/90 reais no Anime Friends. Mas, vocês sabem, aqueles bonecos de edição especial são realmente caros.





O preço da comida, comparado ao ano passado, estava praticamente quase igual. Bebida também. Aliás, o preço está igual ao evento BGS que eu fui esse ano. Não que o preço é justo, mas eu já tenho um certo tempo em eventos grandes como esse, infelizmente, eles enfiam a faca. Mas sou da turma que leva lanche de casa. Levei água e refrigerante. Lá tem bebedouros e dá para encher a garrafinha.
O negócio é pesquisar antes de pagar, ver a forma de pagamento, se parcela e se tem juros. Exija seus direitos, o código do consumidor tá aí para ser seguido.
Eu vi coisas, vivi coisas, me diverti e soube aproveitar todas as oportunidades. Não deixe de entrar nas lojas e fuçar tudo o que eles oferecem, as filas as vezes parece enorme, mas vale a pena.
Mas tudo nessa vida pode melhorar. E houve algumas mudanças legais este ano, a melhor de todas foi o tapete vermelho onde os artistas passavam antes de entrar no auditório, e também o telão, onde pude acompanhar algumas entrevistas maravilhosas.















Uma coisa que não mudou nadinha, do ano passado para esse ano, foi a postura de alguns Staff. Falta de informação, falta de educação e falta de compreensão com os fãs. Nós somos responsáveis pelo evento ser o que é, afinal, se ninguém comprasse ingresso, não haveria CCXP. Então é preciso que todo mundo seja bem treinado, para que a experiência seja agradável.
Mais uma coisa, o Centro de Exposições Imigrantes, onde ocorre o evento, está em obras (Jura, Kori?). Pois é, um investimento de 300 milhões de reais do Governo do Estado de São Paulo. Dá uma lida nesse textinho aqui. Não estou querendo falar de política, é só compartilhando informações corretas, pois vi algumas pessoas colocando a culpa na organização da CCXP por coisas que eles não podem responder.
Essa é a segunda edição, obviamente ainda tem muito o que fazer para que tudo fique excepcional, e quem sabe a gente não precise mais sonhar em viajar para San Diego.

Ps.: Eu queria poder ter fotos magníficas dos artistas que eu vi e tive um mini ataque cardíaco, mas era questão de sobrevivência. Ou eu os paparicava, entrava em colapso, tirava fotos, respirava... enfim, tremendo só dava para falar para o Frank Miller que ele é o melhor! <3
Como eu disse, coisa de fã.