quarta-feira, 24 de junho de 2015

Resenha - Sharknado




Imagine que você esperou o ano todo por aquele feriado prolongado. Juntou suas coisas e foi para o litoral.  Estendeu-se ao sol tomando água de coco geladinha e pegando aquele bronzeado maravilhoso.  De repente o tempo fecha e um tornado surge para acabar com a sua diversão! Achou terrível? E se ao invés de um tornado as águas do mar fossem subitamente cercadas por tubarões?! Qual é pior, eu pergunto. Uma mistura dos dois! Tenho a honra de apresentar: Sharknado! Um tornado de tubarões.

Pois esse é o enredo do filme. Toda a ação se passa na Costa Oeste dos Estados Unidos, mais especificamente em Los Angeles.  Fin, o protagonista da história, é um ex-surfista que agora possui um bar à beira mar. Quando o bizarro tornado de tubarões desaba sobre Los Angeles, a única coisa que ele tem em mente é salvar a ex-esposa e os filhos que, obviamente, estão um tanto longe o obrigando, junto com alguns amigos, a sair em uma jornada épica rumo a Bervely Hills!

Começa assim uma arriscada incursão através de ruas inundadas, cercados de perigos por todos os lados. Você nunca sabe quando um tubarão voraz irá cair do céu pronto para te transformar no lanchinho da tarde (sim, eles já caem com a boca escancarada e cheia de dentes esperando a morte chegar pronta para a mordida fatal) ou se eles vão apenas cair na sua cabeça deixá-lo que nem uma panqueca no asfalto.

Não acha perigo suficiente? Pois o tornado inunda as ruas e a rede esgoto.  Tubarões brotam dos ralos dentro das casas e nadam entre os carros caçando a próxima vítima.  O shopping principal se transforma em uma piscina cheia de peixinhos pesando toneladas e cheios de presas afiadas.  Um cenário chocante! Em todos os sentidos: pegue um tornado de tubarões, adicione efeitos especiais terríveis e um plot inacreditável. Isso é Sharknado! Como desgraça pouca é besteira, em Beverly Hills estão apenas April e Claudia, respectivamente ex-esposa e filha de Fin. Mas ainda existe Matt, o segundo filho, que está longe dali, fazendo aulas de pilotagem. Algo muito conveniente, pois a solução encontrada para vencer o tornado envolve um vôo de helicóptero e bombas caseiras.

E um detalhe importante: tornado de tubarões deve ser interpretado na integra. No meio dos ventos velocíssimos tem tubarões, como se alguém passasse uma peneira pelo mar e separasse as baleias, golfinhos, arraias e qualquer outro tipo de vida marinha. São apenas tubarões chovendo do céu. É.

O telefilme (termo que se refere a filmes lançados direto para televisão) foi produzido em 2013 pelo SyFy, um canal por assinatura maravilhoso que foca em ficção cientifica, sobrenatural e fantasia, também responsável por pérolas como Z-Nation e Defiance, tornando-se um fenômeno entre os Internautas, especialmente os usuários do Twitter.

Tal notoriedade rendeu frutos em forma de sequência: Sharknado 2 – the second one, também um jogo de vídeo-game e até mesmo aqueles bonecos POP. Além disso, como não podia faltar, cosplayers em convenções como a Comic-Con realizada em San Diego (EUA).

É evidente que um filme com efeitos especiais tão ruins e recheado com cenas impossíveis não foi produzido para competir pelo Oscar, mas visando um seguimento entre os expectadores com um número significativo de defensores: os fãs de trash, filmes Classe B e de baixo orçamento. Sharknado é um novo conceito de “filme ruim”.

Surpreso por saber disso? É, jovem gafanhoto. Temos inúmeros estúdios que produzem apenas esse tipo de entretenimento. E conquista fãs fieis ao redor do mundo, inclusive esta que vos escreve.

É certo que filmes como Sharknado devem ser vistos sob uma óptica diferenciada. Quando for assistir não se deve alimentar as mesmas expectativas que teria ao assistir super produções Classe A. Mas que fique claro: se abrir a sua mente poderá se divertir um bocado.



Ficha Técnica

Filme: Sharknado (Sharknado, EUA)
Ano: 2013
Gênero: Ficção científica , Terror
Duração: 1h26min
Direção: Anthony C. Ferrante
Elenco: Ian Ziering, Tara Reid, John Heard, Cassie Scerbo,  Jason Matthew Simmons

Personagens

Finley "Fin" Shepard (Ian Ziering) –  ex-surfista que atualmente é proprietário de bar. Se mostra um expert em sobrevivência enfrentando os tubarões das maneias mais inusitadas. A cena final vai tirar o seu fôlego.

April Wexler (Tara Reid) a ex-exposa de Fin, com quem tem um casal de filhos.  Mora em Bevery Hills e a principio não acredita no tornado de tubarões. Até receber a visita deles, literalmente.

George (John Heard) – um cliente que passa basicamente todo o seu tempo no bar do Fin, bebendo.

Nova Clarke (Cassie Scerbo) – funcionária do bar do Fin

Baz  (Jaason Simmons) – pode-se resumir em braço-direito do Fin no bar.

Claudia Shepard (Aubrey Peeples) filha de April e Fin.

Matt Shepard (Chuck Hittinger) – filho de Fin

Referências:



domingo, 21 de junho de 2015

Youtube - Origem do nome Nyah e Amigos da Internet

Continuando a Saga em vídeos. Kaline e eu (Kori Hime) falamos um pouco sobre a origem no nome "Nyah". De onde o Seiji (criador do site) tirou a ideia para o título do site. E também falamos um pouco sobre amizades que nasceram a partir do contato frequente no site.
Para contribuir com o Canal, você pode acessar o youtube e curtir os vídeos e se inscrever.



sexta-feira, 12 de junho de 2015

Resenha “Redenção: Metrovinos, a Origem”

Livro: Redenção: Metrovinos, a Origem
Edição: Ebook
Autor: M. A. Costa


O conto “Metrovinos: a Origem” fala sobre as primeiras 72 horas após o Grande terremoto de Xangai em 2108 e faz parte da cronologia do livro Redenção. O que é relatado neste conto, aconteceu bem antes de Peter, fala como foi o terremoto, e relata a sobrevivência de um personagem muito importante para a história.
            M. A. Costa já inicia seu conto nos dando detalhes sobre o terremoto. Quando eu li Redenção, ainda disse para ele “Só essa parte dos Metrovinos já dava um livro inteiro”, ele riu e, é claro, deve concordar comigo. Tanto é que tivemos a surpresa desse conto ser lançado no Amazon. O que me deixou muito feliz. É gratificante ver como um autor é cuidadoso e atencioso com sua obra. Costa sabe que sua história é um verdadeiro leque de opções, e tenho certeza de que ele irá explorar cada pedacinho dessa grandiosa história.
            O terremoto de Xangai me pareceu a coisa mais assustadora quando li Redenção, e agora, lendo o conto, eu tive certeza de que foi pior.
            Após nos colocar a par dos acontecimentos ocorridos durante o terremoto, acompanhamos então a luta pela sobrevivência de um personagem que acordou após o grande terremoto. Ele estava em meio aos escombros e acompanhado de dezenas de corpos. A decisão de lutar para viver é um instinto natural nosso, como o autor mesmo nos relata no texto. Então nós passamos a torcer pela sobrevivência dele. Não é fácil, imaginei um cenário catastrófico surreal na minha mente, mas eu penso que, numa situação dessas nós aprendemos a se erguer e prosseguir.
Espero que eu não passe por algo assim, pois sou péssima em cálculos e sistema métrico (lembrando aqui de um trecho do conto em que o personagem usa seus conhecimentos para calcular a profundidade de um buraco). Ele tem um objetivo, chegar até a maior estação do sistema metroviário da China. E, finalmente, quando ele alcança a plataforma, encontra mais sobreviventes.
            O conto me deixou ainda mais curiosa sobre a vida dos Metrovinos. Nos foi apresentado o terremoto, o início de tudo, a luta pela sobrevivência, mas ainda tem mais, muito mais. Eu espero que o autor se anime também e nos proporcione mais histórias sobre esse povo que, sem dúvida, fez uma grande diferença na história Redenção.
            O ebook ainda oferece um mapa da estação Xangai Railway Station, sem falar na belíssima arte da capa.



O site do livro Redenção
O link do conto Metrovinos: a Origem, no Amazon
Resenha Redenção: Livro um Legionella

sábado, 6 de junho de 2015

Resenha: Fanfics Sobrenatural, Pat Black



Quando eu Lembro de Sobrenatural, logo me vem à cabeça três fanfics da autora Pat Black.
Para quem gosta da série, sem dúvida, Pequenos Momentos Winchester e Cia, é uma das coleções de oneshots que você precisa ler. Cada capítulo a autora fala sobre um tema diferente. Ela utiliza vários momentos da série e cria outros novos. O que eu mais gosto é o fato da autora não focar somente no Dean e no Sam, vários personagens têm seu espaço nesta coletânea.
                Outra história, que não chega a ser um Wincest, mas tem uma baita pegadinha, é a história Só um beijo e nada mais. É comédia e você vai rir bastante.
                E não posso deixar de falar de Ninguém mais te amou como eu, é uma songfic drama e é baseado no episódio 5x14 da série.

               A quinta temporada de Sobrenatural deixou todos os fãs muito enlouquecidos, diga-se de passagem. Nessa época as histórias no Nyah bombavam loucamente. E eu guardei com carinho essas três histórias na minha cabeça. Espero que se divirtam lendo.


 escrita por Pat Black

Sinopse: Cada capítulo é uma história única!
Cada capítulo desta fic abordará momentos desgarrados, tristes, alegres, românticos, engraçados e sempre finalizados da vida de Dean e Sam, seus amigos e inimigos. Queria evitar ficar lançando tantos capítulos únicos, assim criei uma fic em que poderia postar só esse tipo de história.
A razão do +18, é que algumas das histórias podem conter "cenas fortes".
Está capa não me pertence. Ainda a procura do autor no google.

Classificação: +18
Categorias: Sobrenatural 


 escrita por Pat Black

É o mais próximo que chegarei de escrever Wincest (apesar de não ser). Espero que goste... E outros também.

Classificação: Livre
Categorias: Sobrenatural 


Sam acorda no quarto do pânico com Dean ao seu lado... Uma continuação de "A prece de um justo", POV do Sam... Fic baseada na cena final do episódio 5x14.

Classificação: Livre
Categorias: Sobrenatural 


Perfil: Pat Black

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Resenha: Immortales


         
         Os vampiros estão cada vez mais destacados não somente na literatura, mas também no cinema e na televisão. Talvez pela abordagem misteriosa, aterrorizante ou sedutora que esses imortais possuem.
         As crenças populares ao redor do mundo são diversas, assim como as teorias de criação, morte, sobrevivência. Escritores como John Polidori e sua obra, O Vampiro. Lord Byron, Sheridan Le Fanu, Bram Stoker. Clássicos esses que, com certeza, inspiraram outros nomes tão famosos quanto, como Anne Rice, Stephen King, o brasileiro André Vianco, Giulia Moon, entre outros ótimos escritores.
         Existem vampiros para todos os gostos. É uma feira livre e você decide o time que vai vestir a camisa. E eu não estou aqui para influenciar ninguém, muito menos atacar a camisa dos vampiros que você decidiu honrar.
         Hoje eu vim vestindo a camisa de Immortales, um livro com 654 páginas, que conta a saga de uma raça vampírica em nosso mundo.
         A minha relação com Immortales não é somente de leitor, é mais que isso. Eu presenciei o nascimento dele. Quando Roxane, a autora, deu início a história, fui favorecida com trechos do livro, conforme ela escrevia. Além de ser boa autora, Roxane é uma pessoa maravilhosa e sabe como nos cativar com seus personagens encantadores.

         No livro Immortales existem oito Clãs, sendo que uma família é de vampiros e as outras sete famílias de imortais. Ou seja, os imortais são vampiros sangues puro. Para dar continuidade a raça, eles devem se casar com seus consanguíneos. Ambos, vampiros e imortais, não tem a permissão de morder humanos. Há leis severas criado por um conselho. Entretanto, como em toda sociedade, as regras existem para serem quebradas, e é aí que a história começa.
         Nesse mundo fantástico, você vai conhecer os guardiões Protettori, tanto imortais como vampiros, que são escolhidos para proteger as famílias.
         Elise, a protagonista que narra uma parte da história, é uma imortal da família real, sangue puro. Está prometida a Victor, seu irmão. Porém, não pode fugir do amor avassalador que sente por Edmund, seu primo, que também é de família sangue puro.          A história dos dois se desenrola através das páginas. Para quem gosta de romance, é um prato cheio. Eu fiquei hipnotizada pelo casal que estaria disposto a tudo para viver seu amor, até eu conhecer András, um Protettori que salva a vida de Elise.
         Outro personagem importante para a história é o pirata imortal Alejandro. Por este, você, com certeza, vai se apaixonar. Ele é peça chave para os acontecimentos da história, sendo o último remanescente de seu Clã. Junto, conhecemos Ellen. Uma humana que se apaixona pelo pirata imortal.
         Como visto, o romance impossível está no ar.

         A história da humanidade também é descrita na obra, vários trechos históricos são representados no livro. Inclusive a revolução Francesa. Talvez seja isso que mais me encante na história, a autora criou uma raça fantástica, e a introduziu no nosso mundo, de uma maneira perfeita. Com detalhes bem pensados e ideias criativas, sem dizer originais. Acho que isso é o que mais conta em uma história, você modelar da sua forma, os personagens, principalmente quando são figuras conhecidas das crenças populares.
         O que eu passei aqui não chega nem a 10% de toda a história. É preciso ler, para tomar suas próprias conclusões. Eu tive momentos de amor e ódio com os personagens, a interpretação é pessoal e intransferível. Por isso, se algo aqui lhe chamou atenção, sugiro que sacie sua curiosidade lendo o livro.

         Como amiga, eu desejo a Roxane o sucesso que ela merece. É uma escritora incrível, que me fascina. Seus personagens são carismáticos, odiados, amados, desejados. Que venham os próximos livros dessa grande escritora nacional, que está conquistando seu espaço.

Lançamento Bienal 2012


Eu estive no lançamento em São Paulo, e fiquei muito feliz de participar desse momento tão importante da minha amiga. Até minha filha que era uma baby conquistou a Bienal naquele ano.







Skoob: Immortales

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Desafio de Junho - Elaborando um Roteiro de Verdade


Desafio de Junho – Elaborando um Roteiro de Verdade.
Ele é destinado à categoria que poucos conhecem ou sabem como funciona.

Antes de começar, você sabe o que é um roteiro?

Para participar desse desafio, precisa saber disso. E adivinha? Existe uma aula de Português esperando por você nesse exato momento: uma aula especial sobre ROTEIROS.

ROTEIROS ENVIADOS

Incidente na Avenida Central escrita por slytherina (Originais)


O silêncio de uma mente agitada escrita por Maga Clari (Harry Potter)


Plymouth Fury escrita por Kaline Bogard (Christine, o Carro Assassino)


Camaro-Bumblebee escrita por R Freitas (Transformers)



Comercial do Novo Aton escrita por Goldfield (Originais)


A solidão feita de lixo escrita por Moonpierre (Originais)



Peaceland escrita por Jéssica Sanz (Originais)


Como desejas morrer? escrita por IshiDate (Originais)


Para Que Dirigir? escrita por Grrrl (Avatar: A lenda de Korra)


Qualquer dia aí escrita por Hunter Pri Rosen (Originais)


Ela e o Apocalipse escrita por Bill Cipher (Minecraft)


Escolhas escrita por Izumi Mimi (Pokemon)


Alone escrita por Denis Filho (Assassin's Creed)


CaoZ escrita por Lady Morgana (The Walking Dead)


Steampunk Badass Asami's Satomobile '69, comercial escrita por SurfinBird (Avatar: A Lenda de Korra)


Simulador Zumbi escrita por Samantha Kappaun (Originais)


Melancolia Líquida escrita por Laís Barcelos (Originais)


Alone In The Dark escrita por Melody, Scarlett (Originais)


Strong Woman escrita por artur carver (Originais)


Não se preocupe, eu estarei com você escrita por arodasnep (Naruto)


Perfeito para você! escrita por Lizzie-chan (Fairy Tail)


O Maravihoso Pussy Wagon escrita por Lucas Carvalho (Kill Bill)


Pequena Grande Solidão escrita por Sakura Suzuki (Originais)


Echo escrita por Party Poison (Originais)


A Venda de Carros do Palhaço escrita por Star (Batman)


Zumbi Exemplar escrita por Casmurro (Originais)


I dont know give up escrita por anonimo (Originais)


A Solução Para Solidão escrita por Rute LR (Originais)


escrita por Yuu Chan (Originais)


escrita por Larissa Megurine (Originais)


escrita por MariJalles (Sobrenatural)


escrita por Yuu Grantaine (Love Live School Idol Project)


escrita por Hta (Originais)


escrita por Tassi Viebrantz (Escape the Fate)


Após O Final escrita por Éle (Originais)


Aeroporto escrita por Mr Martell (Originais)


Um último momento de esperança escrita por Ana Coelho (Originais)


A Doença Fatal escrita por Ryan Phillips, Ádrila Agnes (Originais)


O Donut Degustado escrita por Elyon Somniare (Originais)


A síndrome do Papel em Branco




Geralmente, acontece quando você mais precisa escrever um artigo, criar um desenho, bolar um projeto, e você simplesmente não consegue colocar as ideias na folha em branco. Para começar, esse termo já dá calafrios: “Síndrome da folha em branco”. Parece até denominação de doença gravíssima.
Já dizia minha professora de Artes Plásticas, Sylvia Dobry: não tenha medo da folha em branco. E ela está certa. Não podemos nos desesperar diante da folha em branco. Embora, muitas vezes, a vontade de sentar e chorar seja mais forte do que qualquer outra coisa.
A falta de ideias também é um fator agravante. O pânico aumenta, o suor na testa é constante e, normalmente, você deixa para depois. Só que o "depois" vem cobrando com juros na sua porta. E, por mais que pareça uma ótima ideia procrastinar, você vai se arrepender futuramente. Eu não possuo a fórmula mágica, mas algumas dicas podem ajudar a preencher sua folha em branco com boas ideias.

Atitudes simples que podem ajudar:


      Internet
Você está trabalhando em seu computador e, a cada 3 segundos, dá uma olhadinha no Facebook, no Twitter, no Youtube...
Fechar as abas do navegador não vai surtir efeito. Faça logout em suas contas nas redes sociais também. Assim, quando for pesquisar alguma coisa referente ao projeto em que está trabalhando e der uma recaída, vai ter que fazer o login e, nesse tempo de digitar e-mail e senha, vai se sentir culpado por desviar do seu caminho.
Cuidado com o celular. Não adianta nada você ficar checando cada mensagem de notificação de atualização. Desative as opções de notificações das redes sociais enquanto estiver trabalhando.

      Comidas, Bebidas & CIA
Algumas pessoas não conseguem pensar direito de barriga vazia. Eu sou uma delas. Outras acham que comer atrapalha o processo de escrever. O ideal é não levar a comida para a mesa de trabalho. Se você estiver com fome, vá comer na cozinha. Termine a refeição e retorne ao trabalho. Faça suas refeições nos horários corretos. Não adianta comer três biscoitinhos no almoço, porque você vai ficar com fome em menos de meia hora.
Deixe a garrafa de água próxima, para que não tenha que ir até a cozinha. Daí vai abrir a geladeira, pensar, vai olhar as panelas, armários... Nessa brincadeira, já perdeu tempo e o foco.
Café fica na garra térmica. Não adianta encher a caneca até a borda, pois ele vai esfriar, e você se sentirá na obrigação de ir até a cozinha pegar mais. Que tal trocar o café pelo chá? Existem chás que são ótimos para acalmar: hortelã, melissa, camomila, etc. E, claro, o bom e velho suco de maracujá. Nada de bebida alcoólica; isso poderá atrapalhar mais do que ajudar.

      Música
Algumas pessoas trabalham bem com o silêncio; outras usam a música como fonte de inspiração. Descubra que tipo de pessoa você é.
Cuidado, não adianta colocar uma música agitada, daquelas que te fazem querer levantar da cadeira e dançar, ou aquela música que te faz lembrar alguém. Você sabe o que eu quero dizer. Precisa fazer uma seleção de músicas que se encaixem perfeitamente no processo de criação pelo qual está passando. Só não vá ficar horas escolhendo enquanto poderia usar esse tempo para trabalhar.

      Dê um tempo, mas não muito.
Não adianta queimar os neurônios e se privar de atividades importantes que podem te ajudar no processo. Permita-se um tempo para relaxar, saia do ambiente de trabalho e respire. Faça exercícios, encontre algo que lhe agrade: ciclismo, futebol, natação, brincar com os cachorros...
Tá no escritório? Então, levante-se da cadeira, alongue o corpo, vá ao banheiro e lave o rosto. Deixe a hora do almoço para o almoço; não leve problemas para a mesa de refeição. Se sobrarem uns minutinhos, relaxe com alguma coisa divertida. Um livro, por exemplo.
Se você trabalhar em casa, é bem mais fácil se desvirtuar, indo para a sala e ligando a televisão, fazendo uma coisa aqui e ali. Se não morar sozinho, as chances de perder o foco aumentam. Por isso, você precisa estabelecer um horário de trabalho, como se fosse uma empresa. Horário de entrada, horário de almoço, horário de saída. Faça uma agenda com todos os seus compromissos e siga religiosamente o que está escrito nela, salvo alguns casos de urgência que aparecerem.

      Tome notas
Deixe o caderninho de anotações próximo e anote suas ideias. Escreva tudo o que se passa nessa sua cabecinha; se não gostou, escreva de novo. Leia em voz alta. Não descarte suas ideias, por mais que elas não pareçam boas na primeira vez. Se quiser, escreva no celular também, mas não se esqueça de salvar. Faça um backup e mande para seu e-mail, por exemplo. Existem vários aplicativos que lhe permitem compartilhar seus documentos.

As dicas estão aí, mas a sua folha ainda está em branco?


Acalme-se, tome aquele chá que eu sugeri e não tenha vergonha de pedir ajuda para um amigo de confiança. Procure entender o que te aflige, principalmente se tiver prazos a cumprir. Compreender o que acontece com você pode ser a chave de preencher toda a folha em branco.


quarta-feira, 3 de junho de 2015

Resenha: Barbie Life in the Dreamhouse



Barbie Life in the Dreamhouse é o reality show da boneca mais famosa do mundo! Nesse programa, você vai descobrir quem são as melhores amigas da Barbie. Terá detalhes do romance dela com o Ken. E se divertir com as irmãs mais novas da Barbie: Skipper, Stacie e Chelsea.
O reality show mais acessado da web mostra como é a vida na Casa dos Sonhos, localizada em Malibu, Califórnia, onde Barbie mora com suas três irmãs e seus bichinhos de estimação. A gatinha Blissa, a cadela Taffy, e a égua Tawny.
Neste programa, também marca presença o Ken, namorado de Barbie. Os talentos de Ken são postos em prática sempre que a Barbie precisa de um aquário gigante para golfinhos, ou máquinas de fazer cupcakes com o apertar de um botão, ou assistir ao filme favorito dela, "Triste e Romântico 2". Barbie está sempre acompanhada de suas melhores amigas. Elas adoram passear no shopping, surfar e, é claro, visitar o closet de Barbie (Geralmente elas se perdem lá dentro).
Não podemos deixar de falar em Ryan e Raquelle. Os dois são irmãos e estão sempre criando momentos eletrizantes no reality show. Como na vez que Ryan tentou assustar Barbie e suas amigas na festa de pijama. Mas, como sempre, Ken cuidou do intrometido e o colocou em seu lugar.
Como em qualquer reality, os participantes também tem um confessionário. Um divã fashion, onde podem desabafar tudo o que desejarem.

E então? O que você está esperando para assistir esse reality show cheio de diversão cor de rosa?



Lançado em 2012, Barbie Life in the Dreamhouse é uma animação computadorizada de comédia, protagonizada pela boneca Barbie e seus amigos. A série animada já está na sexta temporada e cada episódios possui entre 3 e 4 minutos. Você pode assistir no site da Barbie ou o canal oficial no Youtube. O desenho faz parte da grade do programa Bom dia & Companhia, do SBT e no canal Boomerang.
Outra opção é fazer o download gratuito do aplicativo Barbie Life, e assistir no tablet. Essa é uma ótima dica para quem tem filhos, principalmente quando você faz uma viagem longa, as vezes a criança fica entediada e um desenho pode distrair um pouco. Eu costumo assistir ao desenho com minha filha de 4 anos. É divertido e até mesmo os mais velhos podem curtir. 

(Chelsea no famoso divã do confessionário)

(O aplicativo para Ipad)

(Vídeos para assistir)


Curiosidades

Barbie tem três irmãs: Skipper, com 18 anos; Stacie, com 11 anos; e Chelsea, com 4 anos.
O sobrenome de Ken é Carson.
Barbie já teve mais de 130 profissões.

Referências: Arc ProductionsMattel




segunda-feira, 1 de junho de 2015

Youtube - Vídeo de Apresentação Kaline Bogard e Kori Hime

Para nós, escrever é tão fácil quanto respirar e andar. Mas falar sobre a gente para a câmera de vídeo causa nervoso. Eu tive que gravar umas 20 vezes esse vídeo de apresentação, a Kaline também esgotou espaço no HD gravando, rs.
A proposta dessa apresentação é fazer com que os usuários vejam que, quem está por trás do Avatar da Moderação, é uma pessoa normal como qualquer outra.

Apresentação Kaline Bogard


Apresentação Kori Hime


Ainda temos muitas ideias para o Canal no Youtube, para acompanhar, basta se inscrever e comentar suas sugestões.
Até a próxima.

Resenha Fanfic - Tal pai, Tal filho



Título da Fantic: Tal pai, tal filho
Autor: The Escapist
Gênero: Drama, Lemon, Mistério, Romance, Yaoi
Classificação: +18
Resenha por: Kaline Bogard

Sinopse

John podia dizer que tinha tudo. Era jovem, rico e estava apaixonado. Um homem não poderia querer mais da vida. Seria perfeito se não fosse sua relação difícil com o pai, que o rondava feito um fantasma. Ele queria a liberdade, mas o preço a pagar por ela poderia ser alto demais.


Resenha

“Tal pai, tal filho” trata-se de uma narrativa fluída e envolvente onde o leitor é apresentado a John e Freddy, dois jovens promissores e bem sucedidos que mantém um envolvimento secreto.  Acompanhamos o atrito entre ambos quando um deseja assumir a relação e o outro se posiciona contra essa decisão.
Outros elementos se somam a esse conflito: temos John e seu pai, cuja relação é atribulada, cheia de cobranças, acusações e desrespeito.   Conflitos de interesse e jogadas de poder.
O equilibro da situação é destruído quando uma tragédia atinge a família Rockefeller: um crime hediondo onde todos os indícios apontam um suspeito inesperado.  A polícia assume as investigações e a verdade vem a tona revelando o suspeito improvável!

Pontos Positivos
A história tem um bom português, é dinâmica e bem escrita.  Os personagens são carismáticos, verossímeis, bem abordados. Captura elementos da nossa realidade: ou seja, o enredo pode muito bem acontecer no mundo real.  Não apenas pode, como acontece.

Ponto Negativo
A investigação acontece muito rápido e podia ser um pouquinho melhor desenvolvida. Mas se trata de uma oneshot, logo tal fato não tira o mérito da história em nada.


Análise dos Personagens


John: o jovem responsável e batalhador que, apesar de ter vindo de berço de ouro, luta por seus interesses e faz por merecer as conquistas que alcançou.  É responsável, educado, digno. Mas tem seus medos: de assumir a relação homossexual e enfrentar a reação da sociedade. Ele se sente preso, se debate naquele dilema sobre a decisão mais acertada. John sabe que deseja algumas coisas horríveis leia pra saber o quê, mas ao mesmo tempo não consegue evitar.  Apaixonado por Freddy, comente alguns erros que machucam seu companheiro e podem prejudicar a relação que tem. Essa ambivalência o deixa muito humano

Freddy: um artista, visivelmente o mais sensível, cujo passado atribulado esconde um problema talvez não devidamente resolvido com drogas.  Entusiasta capaz de desafiar tudo e todos para assumir o seu amor, corajoso, atarefado, o cara que quis a fama e conseguiu, quando tantos caem pelo caminho. Suas escolhas refletem bem a personalidade animada, dinâmica, intensa.  Em alguns momentos intensa até demais em contrapartida com o jeito mais sério e contido de John.

Ernest: pai de John e grande responsável por maior parte dos problemas na vida do rapaz. É um personagem cheio de erros, cujas falhas e egoísmo trazem toda sorte de dificuldades a quem o rodeia, um homem que projeta no mundo o pior de si e espera algo similar em retorno.  Trata a todos como objetos que podem ajudar a alcançar um fim. Ele plantou o que colheu.

Ben: irmão mais novo de John, tem um vinculo complicado com o pai.  Logo na primeira aparição quebra aquele estereotipo do caçula “filhinho de papai” e isso volta a tona no final da história de modo bem inesperado.