quinta-feira, 4 de junho de 2015

A síndrome do Papel em Branco




Geralmente, acontece quando você mais precisa escrever um artigo, criar um desenho, bolar um projeto, e você simplesmente não consegue colocar as ideias na folha em branco. Para começar, esse termo já dá calafrios: “Síndrome da folha em branco”. Parece até denominação de doença gravíssima.
Já dizia minha professora de Artes Plásticas, Sylvia Dobry: não tenha medo da folha em branco. E ela está certa. Não podemos nos desesperar diante da folha em branco. Embora, muitas vezes, a vontade de sentar e chorar seja mais forte do que qualquer outra coisa.
A falta de ideias também é um fator agravante. O pânico aumenta, o suor na testa é constante e, normalmente, você deixa para depois. Só que o "depois" vem cobrando com juros na sua porta. E, por mais que pareça uma ótima ideia procrastinar, você vai se arrepender futuramente. Eu não possuo a fórmula mágica, mas algumas dicas podem ajudar a preencher sua folha em branco com boas ideias.

Atitudes simples que podem ajudar:


      Internet
Você está trabalhando em seu computador e, a cada 3 segundos, dá uma olhadinha no Facebook, no Twitter, no Youtube...
Fechar as abas do navegador não vai surtir efeito. Faça logout em suas contas nas redes sociais também. Assim, quando for pesquisar alguma coisa referente ao projeto em que está trabalhando e der uma recaída, vai ter que fazer o login e, nesse tempo de digitar e-mail e senha, vai se sentir culpado por desviar do seu caminho.
Cuidado com o celular. Não adianta nada você ficar checando cada mensagem de notificação de atualização. Desative as opções de notificações das redes sociais enquanto estiver trabalhando.

      Comidas, Bebidas & CIA
Algumas pessoas não conseguem pensar direito de barriga vazia. Eu sou uma delas. Outras acham que comer atrapalha o processo de escrever. O ideal é não levar a comida para a mesa de trabalho. Se você estiver com fome, vá comer na cozinha. Termine a refeição e retorne ao trabalho. Faça suas refeições nos horários corretos. Não adianta comer três biscoitinhos no almoço, porque você vai ficar com fome em menos de meia hora.
Deixe a garrafa de água próxima, para que não tenha que ir até a cozinha. Daí vai abrir a geladeira, pensar, vai olhar as panelas, armários... Nessa brincadeira, já perdeu tempo e o foco.
Café fica na garra térmica. Não adianta encher a caneca até a borda, pois ele vai esfriar, e você se sentirá na obrigação de ir até a cozinha pegar mais. Que tal trocar o café pelo chá? Existem chás que são ótimos para acalmar: hortelã, melissa, camomila, etc. E, claro, o bom e velho suco de maracujá. Nada de bebida alcoólica; isso poderá atrapalhar mais do que ajudar.

      Música
Algumas pessoas trabalham bem com o silêncio; outras usam a música como fonte de inspiração. Descubra que tipo de pessoa você é.
Cuidado, não adianta colocar uma música agitada, daquelas que te fazem querer levantar da cadeira e dançar, ou aquela música que te faz lembrar alguém. Você sabe o que eu quero dizer. Precisa fazer uma seleção de músicas que se encaixem perfeitamente no processo de criação pelo qual está passando. Só não vá ficar horas escolhendo enquanto poderia usar esse tempo para trabalhar.

      Dê um tempo, mas não muito.
Não adianta queimar os neurônios e se privar de atividades importantes que podem te ajudar no processo. Permita-se um tempo para relaxar, saia do ambiente de trabalho e respire. Faça exercícios, encontre algo que lhe agrade: ciclismo, futebol, natação, brincar com os cachorros...
Tá no escritório? Então, levante-se da cadeira, alongue o corpo, vá ao banheiro e lave o rosto. Deixe a hora do almoço para o almoço; não leve problemas para a mesa de refeição. Se sobrarem uns minutinhos, relaxe com alguma coisa divertida. Um livro, por exemplo.
Se você trabalhar em casa, é bem mais fácil se desvirtuar, indo para a sala e ligando a televisão, fazendo uma coisa aqui e ali. Se não morar sozinho, as chances de perder o foco aumentam. Por isso, você precisa estabelecer um horário de trabalho, como se fosse uma empresa. Horário de entrada, horário de almoço, horário de saída. Faça uma agenda com todos os seus compromissos e siga religiosamente o que está escrito nela, salvo alguns casos de urgência que aparecerem.

      Tome notas
Deixe o caderninho de anotações próximo e anote suas ideias. Escreva tudo o que se passa nessa sua cabecinha; se não gostou, escreva de novo. Leia em voz alta. Não descarte suas ideias, por mais que elas não pareçam boas na primeira vez. Se quiser, escreva no celular também, mas não se esqueça de salvar. Faça um backup e mande para seu e-mail, por exemplo. Existem vários aplicativos que lhe permitem compartilhar seus documentos.

As dicas estão aí, mas a sua folha ainda está em branco?


Acalme-se, tome aquele chá que eu sugeri e não tenha vergonha de pedir ajuda para um amigo de confiança. Procure entender o que te aflige, principalmente se tiver prazos a cumprir. Compreender o que acontece com você pode ser a chave de preencher toda a folha em branco.


Um comentário:

  1. Ótimas dicas tia Kori! Preciso praticá-las para sair do bloqueio criativo que estou sofrendo esses dias...! Uma boa postagem para auxiliar escritores distraídos que nem eu! XD

    ResponderExcluir

Sabe porque a galinha atravessou a rua?
Para ler seu comentário na lan house (Tum dum tsss)