quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Decifrando Carolina Herdy

Quero começar com um Feliz Natal para todos. Independente de sua religião, acredito que o Natal tenha uma simbologia especial, e seja lá no que você acredita, Feliz Natal.
Essa semana eu vou falar de um presente que eu recebi. Um presente não material. Foi uma conversa que eu tive com uma pessoa. Nessa conversa ela me esclareceu algumas dúvidas ao qual eu não possuía conhecimento. Esse presente me fez bem e quero compartilhar com vocês.

Costumo sempre visitar o site da Liga dos betas para compartilhar com os usuários do Nyah! Fanfiction os artigos que eles publicam. E então eu encontrei o texto da Carolina Herdy. O deficiente visual e a Liga dos Betas.
Nesse desabafo, Carolina conta rapidamente sobre sua entrada na Liga dos Betas do Nyah! Fanfiction. Até aí sem surpresas, mas Carolina é deficiente visual. Eu li o texto e fiquei com muitas dúvidas, entrei em contato com Carolina e então tivemos uma boa conversa.

Quando entrei em contato com ela, fiquei receosa de achar que sou uma intrometida, mas Carolina foi extremamente gentil em tirar minhas dúvidas.
Ela me contou que no site Nyah! Fanfiction existem outros deficientes visuais, e eu não tenho conhecimento de quantos ou quem são. Mas é algo que gostaria de saber.

“Sabe, conheço outro deficientes visuais que frequentam o Nyah e se sentem inseguros para participar mais como enviar reviews ou, postar histórias ou, até mesmo, participar da Liga. Por isso achei bacana eu tomar essa iniciativa.”

“Tive um descolamento de retina e perdi mais visão. Até então, eu tenho resquícios de claridade do olho direito. Enxergo apenas borrões descoloridos e indistinguíveis. Uso óculos porque a luz me incomoda profundamente, uma vez que, em uma das operações que precisei fazer para pôr a retina no lugar, retirei o cristalino. E eu tive uma má formação congênita, daí a visão limitada...”

E também gostaria de saber sobre sua escolaridade. Pode parecer bobagem, ou não, mas eu nunca tive um contato pessoal com um deficiente visual para fazer essas perguntas, que ao meu ver, é uma curiosidade geral. E a Carolina me deixou ainda mais curiosa depois disso.
“Terminei o ensino médio ano passado. Estudei em uma escola especializada em deficiência visual até 2009, o Instituto Benjamin Constant aqui no RJ, e cursei o ensino médio em uma escola regular. Fiz o ENEM também ano passado e não tive sucesso em conseguir uma vaga pra Letras, dada a imensa concorrência. Daí nesse ano eu tentei de novo, não só o ENEM, mas também outros vestibulares. Ainda não divulgaram a pontuação, mas eu estou bem confiante... Você não perguntou, mas eu acho bacana dizer que os vestibulares disponibilizam ledores – pessoas que leem as provas para nós – e o ENEM também disponibiliza a prova em Braille. Ah e sim, eu fui alfabetizada em Braille.”

(Máquina de escrever Braille)

Braille ou braile1 é um sistema de leitura com o tato para cegos inventado pelo francês Louis Braille no ano de 1827 em Paris.
O Braille é um alfabeto convencional cujos caracteres se indicam por pontos em alto relevo. O deficiente visual distingue por meio do tato. A partir dos seis pontos relevantes, é possível fazer 63 combinações que podem representar letras simples e acentuadas, pontuações, números, sinais matemáticos e notas musicais. – Fonte Wikipédia.

Comentei com Carolina sobre eu não ter tido muito contato com deficientes visuais, senão na rua, em casos específico. Como por exemplo no ponto de ônibus, metrô, atravessando a rua e etc.

“Não te culpo por não ter contato com outros deficientes visuais. Somos muito reclusos às vezes. Aliás, uma pessoa que se julga "diferente" tende a ficar fechada com aqueles que são "iguais" a ela. Isso me incomoda, sinceramente. Acho que a acessibilidade poderia ser bem maior se todos tivessem mais contato com os que precisam dela.”

E claro, eu quis saber sobre seu futuro, no que ela pretendia trabalhar, já que deseja fazer a faculdade de Letras.

“Eu pretendo lecionar. A ideia é lecionar em universidades, mas o ensino médio não deixa de ser uma opção. Também pretendo escrever. Clarice Lispector disse, certa vez, que nunca se considerou uma escritora profissional. Acho que entendi o que ela quis dizer. Você me perguntou que carreira pretendo seguir e eu respondi. Mas pretendo escrever e publicar romances, quem sabe vender algumas crônicas.”

Essa conversa me fez bem, primeiro porque fiz amizade com alguém muito gentil. Eu adoro uma boa conversa. E também porque Carolina me deixou a vontade de falar sobre sua deficiência. As vezes você fica sem jeito de entrar nesse assunto com alguém que não tem intimidade, mas o melhor a fazer, quando não se sabe a resposta, é perguntar.
Em nenhum momento fiquei com pena de Carolina. Aqui eu encontrei uma pessoa bem segura e inteligente. Uma pessoa que não se limita, utiliza a tecnologia disponível para seu benefício próprio. Nós somos todos diferentes, mas essa diferença não pode nos afastar, ao contrário. Eu agradeço a oportunidade e estou pensando em chamar ela para ir almoçar lá em casa, já que moramos no mesmo estado. Aliás, queria muito reunir várias pessoas do Nyah! Fanfiction que moram no Rio de Janeiro para um encontrão, mas isso é um outro assunto.


Separei aqui alguns links para leitura complementar.

Revista Mundo Estranho – Como os cegos usam a internet?



quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Guia ilustrado: O guia do Contador de Acessos

O guia do contador de acessos
por Kori Hime

O Michael Frank finalizou o tão aguardado Contador de Acessos.
Ele fez o trabalho dele e você deveria ir lá agradecê-lo. Agora eu vou colaborar com quem está perdido.

Primeiro passo: Entendendo como funciona

– O contador registra os acessos do índice (A página onde fica a capa, sinopse, notas da história) e capítulos da história. (Capítulos postados, não agendados). Ele não conta o acesso o autor da história.
– Os dados são atualizados diariamente. Ou seja, quando completar 24 horas, o sistema vai lançar os dados atualizados.
– O contador NÃO tem dados das visualizações PASSADAS. Os dados começaram a ser contabilizados na quinta-feira dia 12 de Dezembro. Isso significa que antes dessa data, NÃO TEMOS DADOS.

Como funciona o contador de acessos?
O acesso dos autores não é contado.
O acesso de pessoas sem cadastro é contado.
O acesso de pessoas com cadastro também é contado.

Para que serve isso Kori?
O nome já diz, conta o acesso da história (pausa para risada). Antes você só possuía os dados de quantos favoritaram, quantos comentaram, quantos acompanham. Agora você também vai saber quantas vezes visitaram sua história, isso leva você a pensar quais os capítulos são mais vistos, quais dias a história é mais acessada. Com essas informações pode melhorar ainda mais o seu desempenho.

Eu quero que mostre quem viu minha história.
Em respeito a privacidade de cada um, não será possível mostrar quem foi que acessou a história/capítulo.

Depressão pós-contador.
Eu vi que muitas pessoas ficaram deprimidas pois suas histórias possuíam números muito altos de visualizações, mas pouquíssimos comentários. (Em breve vou postar uma pesquisa sobre “pessoas que não comentam” mas até lá, vamos nos acalmar)

O contador de acessos não tá falando que X pessoas leram sua história e não comentaram porque são malvados. O contador está dizendo que X pessoas visitaram sua página naquele dia. O que eles fizeram, nem mesmo minha bola de Cristal tem o poder de saber.

E ainda tem o acesso de quem não é cadastrado no site. É por isso, que você precisa saber tirar proveito da ferramenta.

Como assim tia Kori?!

– Você vai saber quais são os dias da semana que sua história foi mais visualizada. Sabendo disso, pode postar sempre naqueles dias de maior audiência.

– Você vai saber quais os capítulos são mais visualizados. Sabendo disso, veja o que tem naquele capítulo que as pessoas tanto olham e se interessam.

– Você vai saber que as histórias antigas ainda possuem acessos. Sabendo disso, pode comemorar ou quem sabe fazer uma continuação daquela história, um bônus.

– Você vai saber que não está sozinho no mundo. (chora)


Tia Kori Hime eu não sei do que você está falando, onde está esse contador?
Vamos passar para o segundo passo logo.


Segundo Passo: Ilustração (Clique na imagem para ver maior)

Sigam as setas verdes: Lembram-se da página Minha Conta? Então, clique em seu lindo nome ali em cima (no meu caso Kori Hime) depois em Gerenciar Minhas histórias.



Esse é o comecinho da página Gerenciar histórias. Na imagem só dá para ver 14 histórias, e todas elas são antigas. A mais nova, finalizada em agosto, é A História de Sally Jackson.
Vejam, mesmo depois de finalizada, ela ainda tem um acesso legal.


Eu cliquei no número de acessos. Carregou a página do contador.
No dia 12/12


Dia de maior acesso, 15/12:


A lista com detalhes de quantos acessos por capítulo, vejam o índice:



Agora o mais engraçado. O capítulo final não teve nenhum acesso desde o dia 12, que foi quando o contador passou a salvar os dados:



Agora por curiosidade, a primeira história que eu postei no Nyah em 2008. Ela teve 3 acessos no índice.



Agora o gráfico da minha história mais recente no site. Vejam, o maior número de acessos, no sábado, foi justamente o dia em que eu postei o capítulo novo.


A seta azul mostra o número de comentários.
A seta vermelha mostra o número de Acompanhamentos.
E a seta amarela o número de visualização.


Ah! Kori Hime, não reclama, tá cheio de números aí.
Eu não estou reclamando, mas veja só outra imagem de uma história que postei ainda esse mês.
Posso ficar chateada agora? rs rs


Conclusão: Acredito que vamos nos surpreender mais com essa ferramenta. Não desanime, tente ler nas entrelinhas.


domingo, 15 de dezembro de 2013

Guia ilustrado: O guia do agendamento de capítulos

O guia do agendamento

por Kori Hime

Você vai viajar para um lugar sem internet? Já chorou com a mamãe e com o papai, mas eles não querem comprar o 4G plus? Vai ficar vinte dias longe do Nyah! Fanfiction? Tá com medo de quando retornar, seus leitores até se esqueceram de seu nome e da sua história? O mundo nunca mais será o mesmo? O céu azul ficará desbotado e os pássaros vão cantar músicas da Anita?

CALMA QUE NÓS TEMOS A SOLUÇÃO!

Se a situação hipotética pareceu ter sido retirada da sua vida, então meu caro amigo, você precisa continuar lendo esse guia ilustrado da Tia Kori Hime.


Situação hipotética: Eu tenho uma história com 05 capítulos escritos. Mas vou passar o Natal e Ano Novo em Judas perdeu as Botas, município perdido no sudeste do Brasil. O vendedor garantiu que o 4G Plus Master Blaster ia funcionar até embaixo da camada do pré-sal, mas ele não tem sinal nem no terraço lá de casa. Não queria que meus leitores achassem que eu os abandonei. O que eu faço?

(Clique nas imagens para ver melhor)

1) O primeiro passo.
Você precisa ter uma história postada no site. Não agendamos novas histórias, apenas capítulos novos.
Essa aqui é a minha história. Ela já foi publicada no site e agora eu tenho 05 capítulos prontos para agendar:


2) O segundo passo.
Para adicionar o capítulo que vai agendar, clique em: Minha Conta > Menu Autor > Gerenciar minhas histórias.
Siga as setas.


Agora estamos na página onde lista todas as suas histórias.
Continua seguindo as setas. A primeira opção é Postar um novo capítulo. Clique nela.




3) O terceiro passo.

Preencha com cuidado e atenção os campos indicados. Veja bem, você vai ficar longe por um tempo? Se sim, melhor avisar os leitores, certo? NADA DE CAPITULO DE AVISO! Informe nas notas da história. Leia as regras.
Preenchi tudo bonito e revisei.



4) O quarto passo.
Agora que a mágica acontece. Clique na opção Programar a postagem (Embaixo das notas finais)

Leia com atenção as opções:
Data: Você pode agendar para até sessenta dias.
Formato: dd/mm/aaaa
Horário: Selecione o horário. Formato 24 horas, horário de Brasília.

Importante: Você não pode agendar um capítulo para o mesmo dia. Por exemplo, hoje é dia 15/12. Só posso agendar capítulos a partir do dia 16/12.




5) O quinto passo.
Clique em: Veja como ficou.
Revise se está tudo de acordo com o que você deseja. Edite qualquer erro de digitação. Se estiver tudo OK, clique em "Assim está bom, registre o capítulo".



6) O sexto passo.
Vai carregar uma página como essa. Então o seu capítulo foi registrado com sucesso e será adicionado na data e hora em que você marcou.



7) O sétimo passo.
Para adicionar os demais capítulo, é só seguir os mesmo passos novamente.
Se deseja editar aquele capítulo que foi agendado, basta clicar na segunda opção Editar História.



8) O oitavo passo.
Essa é a página de Edição de História. Aqui pode editar os capítulos já publicados, inclusive o capítulo agendado. 



Parabéns, agora você pode viajar em paz!



domingo, 1 de dezembro de 2013

Decifrando o básico: Batizando seu e-mail – nickname e senhas

Muitas pessoas não levam tão a sério um simples cadastro em um site. Digitam qualquer nome, senha e e-mail. Pronto, cadastro finalizado, agora é só usar. Algumas pessoas levam pouco tempo para se arrepender disso. Outros, anos para se tocar de que gatinhacomilona92@hotmail.com não é um e-mail muito respeitável para anotar no guardanapo ou adicionar no currículo profissional.

Eu posso dizer que na minha geração (que tem o pezinho na casa dos trintas e bolinha ou já passou disso) sente ou já sentiu vergonha, muita vergonha, de seus nicknames ou e-mails nos falecidos: ICQ, Bate Papo Uol, Yahoo Messenger, Aol Messenger, MSN, Bate Papo BOL.

Em 1996, quando minhas irmãs e eu usávamos a internet (Na casa do meu pai, discada, só nos sábados à noite e domingo de tarde) tínhamos que ser criativas. Quatro adolescentes (Sim 4) e um computador. Então variava os nicknames: 4Girls, The Ladies, 4 Irmãs à toa, Nosso pai está lendo a conversa, Só conversamos com gente da nossa idade, e por aí vai.

Meu primeiro e-mail foi o camilasousafelacio@bol.com.br (Não existe mais)
Depois eu evolui para o famoso Hotmail e decidi usar meu apelido. Óh! Ela não se chama Milla nem Kori? Pois é.
E então o Gmail entrou na minha vida e eu nunca mais quis saber de outra coisa. Utilizo o Milla por que acabou se tornando um nome mais acessível e de fácil memorização, bonitinho para essa vida de escritora, blogueira (ruim), pessoa legal e etc. Inicialmente era apenas um L, mas a minha numeróloga disse que com double L os portões dourados da Vila do Você Venceu na Vida se abririam diante dos meus lindos olhos de caramelo (biscoito, chocolate).
Os portões ainda não se abriram, mas ainda sou jovem para desistir.

Mas vejamos, Milla Felacio não me constrange de nenhuma maneira. Kori Hime é meu pseudônimo (inútil porque todo mundo sabe quem sou, eu tenho consciência disso)
Como vou saber que isso vai me constranger daqui uns anos?
Vamos por partes, que é sempre mais gostoso.


A) Escolhendo o Nickname.

1) Nome próprio: O nome que papai ou mamãe registrou na certidão de nascimento
Quando usar: Para fins profissionais e Acadêmicos e ponto final.
Quando não usar: Meu amigo, não use seu nome de verdade se não quiser que seu pai ou sua mãe enfarte antes dos 40 anos sabendo que o sobrenome da família tá sendo usado como título de uma sala de bate papo de suruba no Uol. (Nesse caso usa o Pica das Galáxias, para as meninas é só mudar o prefixo)

2) Pseudônimos: O nome batizado por você mesmo.
Quando usar: Também para fins profissionais (Veja o caso da J.K. Rowling, publicou um livro usando seu pseudônimo e tava toda feliz até alguém dedurar ela) ou, como é meu caso, vida dupla na internet.
Exemplos: Kori, Kisa, Kaline, Anne, Nyuu, Myllaneza.

3) Fake: Não é seu nome real, não é um nome próprio normal, pode ser até o nome de um personagem de jogo, anime ou a fusão de um nome com o de um personagem, mas aceitável.
Quando usar: Geralmente em Fóruns, sites como o Nyah! Fanfiction, Twitter e etc. Não é uma regra a se seguir.
Exemplos: Sentinela, Elfman, Deadly Fortune, FranHyuuga, Solemn Hypnotic, CupCake Azul.

4) Fake Zuera Never end: A internet me ensinou que a Zuera never NEVER ends.
Quando usar: Usem para fins cômicos. Óbvio não?
Eu não vou dar exemplos porque não curto esse tipo de Fake.


b) E-mails e senhas

Você só precisa saber quando a zuera acaba (sim, ela tem fim quando os seus fundilhos estão na mira do seu chefe) por isso é bom aposentar o pikalustrosa93@avengers.org.
Na faculdade, lembro de um e-mail parecido com “hellokitty1991” um pouco vergonhoso? Sim ou Óbvio?

O mesmo com as senhas, vamos aposentar a combinação de seu aniversário, do aniversário da sua mãe, do seu pai, do seu cachorro. 1234 ou 4321.
Não informe sua senha com ninguém, nem com o Padre em uma confissão. Ninguém! Senha é igual cu, cada um tem o seu e cuida como bem entender.



Dica para a galera do Nyah! Fanfiction

– Quando for se cadastrar, pense com cuidado se vai usar seu nome real, porque mesmo que você edite depois, ainda vai aparecer o nome na listagem de nicks usados.
– Cuidado com os e-mails, não os abandone, sempre reforcem a senha. Não abra e-mails duvidosos, podem conter vírus.

– As senhas do site devem ser editadas esporadicamente e JAMAIS compartilhe com os amigos seu login e senha.


Fonte de pesquisa: http://fanfiction.com.br/
Os emails utilizados como exemplo foram criados por mim, qualquer semelhança com a realidade é um coincidência muito hilária.
Att
Kori Hime
Milla Felacio
Camila S. F. Jonssen 

O NaNoWriMo e a felicidade do mês terminar



Para quem não sabe – até mês passado eu não sabia –, o mês de novembro é marcado pelo evento National Novel Writing Month. Resumindo, um mês para escrever um conto. A meta de 50 mil palavras em um mês.
Ótimo. Sou uma pessoa que ama escrever, tenho muitas ideias por dia, posto fanfics frequentemente no Nyah! Fanfiction. Então o que poderia dar errado?
Absolutamente tudo.
E agora, o mês de novembro terminou. Eu escrevi vinte mil palavras e o meu arquivo de pesquisas tem mais de trinta mil palavras. Opa! Cinquenta mil. Pode ser?
Vamos por partes. Para saber o que aconteceu, eu vou rever o mês inteiro.
Primeiramente comecei a escrever uma semana depois do inicio de novembro. A escrita implica também na minha rotina diária, eu não vou descrever aqui o que eu faço desde que minha filha abre meus olhos às oito da amanhã, até o último minutinho que eu fecho os olhos quando não consigo mais lutar contra o sono, entre um comercial ou outro do History Channel.
O fato, é que no começo dessa semana, eu estava deprimida porque não dei conta desse desafio. Mas agora eu já estou conformada, até porque essa foi a primeira vez que participei. Tenho pra mim que foi pressão demais da minha cabeça.
A ideia geral é escrever, escrever e escrever. Eu escrevi, escrevi e escrevi. Só que eu escrevi várias coisas. Escrevi fanfics, escrevi artigos e guardei para mim, escrevi algumas ideias, escrevi uma carta para minha amiga que mora na Irlanda. Enfim.
Eu fugi do foco. Estava tão preocupada com detalhes pequenos da história, como sempre faço, que acabei não seguindo a proposta do evento. Não era como se eu fosse publicá-lo depois do natal, não é? Foi como levar um tapa na cara e um dedo gigantesco apontar na sua cara e falar: “Lero, lero!”
Mas agora que o mês acabou eu me sinto aliviada. Sinto vontade de escrever meu conto. E aquela ideia de que me sentia pressionada se esvaiu. Me libertei das correntes do NaNoWriMo.
É tão bom! Ah! Posso respirar aliviada e voltar escrever minha linda história.
Levarei essa experiência para o futuro.