domingo, 20 de janeiro de 2013

Resenha Marés da Guerra


Há alguns dias passeando por uma livraria encontrei uma pilha de livros na área de lançamentos que fez meu marido e eu quase chorar de emoção.
O motivo de tanta emoção? Este é um dos livros de World of Warcraft. Marés da Guerra, da escritora Christie Golden.
Para quem não conhece, World of Warcraft é um MMORPG. Um jogo online, onde os usuários podem criar personagens e explorar o mundo de Azeroth. Os livros não possuíam ainda uma tradução para o português, mas acho que depois do sucesso de alguns livros sobre jogos, devem ter decidido nos dar esse presente. (Essa não é uma informação confirmada, e sim uma opinião pessoal)
Infelizmente, para quem não conhece o jogo, a leitura inicial é um pouco confusa. Mas após alguns acontecimentos importantes como por exemplo: a Horda marchando em direção a Fortaleza da Guardanorte, o texto torna-se mais compreensível e a cada capítulo você quer ler mais.
Para entender melhor a Horda e a Aliança são rivais no jogo. No livro não seria diferente. A Horda é composta pelas seguintes raças: Orc, goblin, Mortos vivos, Tauren, Troll e Elfos Sangrentos.
A Aliança é composta por: Humano, Elfo Noturno, Anão, Gnomo, Draenei e Worgen.
Esse livro me deixou muitíssimo animada. Tentarei, brevemente, passar alguns acontecimentos que podem fazer vocês se interessarem. Pois vale a pena a leitura. Mesmo para quem não joga.


O roubo de um artefato extremamente valioso e perigoso, se cair em mãos erradas, dá inicio a história. Aqui conhecemos Kalecgos, o líder da Revoada dragônica Azul, que sai em busca da Iris Focalizadora. O dragão pode sentir o artefato se mover, por isso tem uma chance de encontrá-la, mas vai precisar de ajuda. É aí que entra a personagem principal.
Jaina Proudmore é a governante de Theramore. Ela é uma feiticeira humana, muito habilidosa. Diplomata, ela sonha em selar a paz entre a Hora e a Aliança. As primeira impressões que temos de Jaina é a de uma mulher inteligente, forte e pacifista. A história de Jaina é extensa e não há todos os detalhes do que se passou com ela no livro, por isso é indicado depois pesquisar sobre sua biografia.
(No final do livro tem as dicas de leituras complementares, o chato mesmo é que a maioria não tem em português)
Em outra parte o Líder da Horda, Garrosh Grito Infernal, está juntando um exército para atacar a Aliança. É um personagem fácil de odiar. Até mesmo alguns de seus aliados da Horda não concordam com algumas de suas atitudes. E, apesar de ser o vilão, é um vilão que eu gosto de odiar.

– Algo nos ameaça há muito tempo, algo que devemos extirpar sem misericórdia. Uma ameaça que paira sobre nós há anos e para a qual fomos, até agora, cegos, totalmente acreditando que tolerar um pouco de vergonha não faria mal à grande Horda. Eu disse antes e digo outra vez, qualquer vergonha é vergonha demais! Qualquer injúria é injúria demais! Não vamos mais admitir isso!
(Garrosh)



Alguns outros importantes personagens da Horda tem destaque, mas o tauren Baine Casco Sangrento me conquistou. Sua lealdade esta com a Horda, porém, ele deseja o fim da Guerra e não admite os exageros de Garrosh, porém ele acredita que abandonar a Horda pode ser pior.

Quando Guardanorte cai, Jaina decide pedir ajuda. Unir os exércitos da Aliança para defender Theramore, já que esse é o próximo alvo da Horda. Enquanto isso, Kalecgos ainda sente a presença da Íris Focalizadora, mas ela se move rapidamente, e ele percebe que isso ocorre para que o seguidor do artefato, fique cansado de segui-la. Por isso ele decide colaborar com Jaina, em Theramore.
Falando um pouco de Kalecgos. O dragão foi uma descoberta agradável para mim. Quando em terra, ele transforma-se em meio-elfo. Conforme o livro avança, Kalecgos cria fortes sentimentos por Jaina. É um personagem apaixonante, fácil de conquistar as leitoras femininas. Li algumas resenhas feitas por homens, e não vi negativismo relacionado a esse romance de Kalecgos e Jaina. Vale dizer que esse romance não é explícito. Muitas vezes há algumas cenas que me derreteram o coração, e torcendo para que houvesse um final feliz para eles.


Kalec se transformou tão rápido que Jaina se engasgou. Onde um segundo atrás tinha estado um belo meio-elfo, subitamente havia um imenso dragão azul, não menos belo, a seu modo, mas poderoso e assustador […] Belo, mortal, perigoso, glorioso. O dragão era tudo isso. […] Kalecgos girou a cauda adornada com espigões que mais pareciam sincelos, virou sua imensa cabeça recoberta de chifres, o pescoço sinuoso, e cruzou o olhar com o de Jaina.
Uma Piscadinha.
Ele era Kalecgos, o poderoso dragão, o antigo Aspecto. E também Kalecgos, o bem humorado, perspicaz amigo que tinha ensinado a ela a verdadeira beleza e magnificência inerentes à magia.
Kalecgos tem medo que a Horda tenha roubado a Íris Focalizadora. Se isso ocorresse poderiam usar o artefato na Guerra contra a Aliança. E isso causava-lhe pavor, pois a vida de todos estaria em risco.
Depois de uma espera cansativa da Horda, finalmente Garrosh decidiu marchar. As cenas da Horda são sempre muito emocionantes, é um bom exercício para o cérebro imaginar as diferentes raças, marchando em direção a Guerra. Mas não é tão difícil quanto se pensa.


– Afinal, só pode haver um vencedor nessa Guerra.
(Garrosh, Grito Infernal)

Daqui para frente, o livro toma uma abordagem decisiva até o final, a guerra é mais destacada, e fica cada vez mais difícil de explicar, sem tirar a emoção da surpresa, o que acontecer. O futuro de Theramore esta cada vez mais incerto. E para quem é jogador, já sabe o que acontece. Porém, estou dedicando essa postagem para leitores que não conhecem a história que se passa no jogo. Porque, como eu disse, há muitos detalhes que não são descritos no livro Marés da Guerra, mas mesmo para quem não joga, é possível gostar de sua leitura.

Aqui chega a hora de descobrir se esse livro merece sua atenção ou não.
As informações que eu passei são pequenas diante da historia narrada por Christie Golden. Eu confiei nas escolhas dela, com os acontecimentos futuros e como eu reclamei em certos momentos. Meu twitter e o meu facebook estão de prova.
Certamente, cada um que ler a história, terá uma interpretação diferente. Eu estou com o gostinho de quero muito mais. Espero ansiosa que sejam traduzidos os outros livros, até lá eu vou dar uma passadinha em Azeroth e jogar com minha Draenei, Xamã.
E como escritora de fanfics, vou dar inicio ao meu Team Kalecgos, porque preciso libertar minha mente de muitas ideias.


(As imagens foram retiradas do site Google imagens, alguns trechos do livro foram adicionados para melhor descrição, mas não tenho nenhuma autorização de reprodução.)


Um comentário:

  1. Já tinha visto a um tempo atrás esse livro nas lojas e agora que li sua resenha falando que tem o Kalecgos fiquei mais ansioso ainda pra ler porque o cara é muito foda nos HQ's da Trilogia da Fonte do Sol. haha
    E só pra constar, eu vi ontem nas livrarias um outro livro da Christie que senão me engano é a continuação deste, só que tem o Thrall como protagonista e conta a história no Cataclysm (pelo que li na sinopse) .

    ResponderExcluir

Sabe porque a galinha atravessou a rua?
Para ler seu comentário na lan house (Tum dum tsss)